FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

A LENDA DA PEDRA AMARELA.
   Parece estoria de filme. Fico ate meio ressabiado em contar. Os céticos podem  dizer: isso é pura imaginação, são devaneios da mente de escritor. Mas como dizem: não acredito em bruxas, mas que elas existem...ah não sei. Vamos então a nossa estoria.
   Tempos atras, andando pelas bandas  do Norte Goiano ,   hoje   Estado  do    Tocantins,   tive oportunidades de conversar com muitos contadores de "causos", depois do trabalho , a tardinha sentava na porta da venda do seu Zé Zuza, local onde se reuniam os mais antigos da cidade para jogarem conversas fora, sempre acompanhado de uma cervejinha gelada, um peixinho frito e uma dose da Boa, a pinga mais famosa da localidade. Alem de  tomar conhecimentos da vida de cada morador, muitas estorias, que passavam de Pai pra Filho a respeito da cidade eram contadas. Uma delas me chamou bastante atenção, foi contada por Manelão.
    Diz a lenda, que antes da  construção da cidade, no local havia uma aldeia indígena . Viviam isolados sem a exploração do homem branco. Sem contato com a civilização, vivendo do que a terra dava.
    Eram comandados pelo Cacique Coichi, que dividia as obrigações de cada membro da aldeia. Já idoso, era o mais sábio de todos. Realizador dos cultos de magia,curas e feitiços, juntamente com o Pajé. Certa vez na época do culto a Curupira, onde todos tinha que caçar, e disputar os elogios do Cacique, pela caça mais gorda e maior que pudesse ser abatida, os membros da aldeia se embrenharam pelo mato em locais até então pouco explorado. Foi justamente em um desses, que Caciporé, cansado de correr pelo mato, resolveu se refrescar no riacho. Ao penetrar na parte do pedrau, viu algo luminoso, brilhando a luz do sol, com um amarelo até então nunca visto antes. Caciporé se assustou com aquele tipo de pedra. E eram muitas. Sem saber o que fazer, correu até  a aldeia, foi direto ao Cacique. Que ao ouvir toda estoria, resolveu ir até o local. Quando se aproximou teve visões horríveis. Viu uma batalha de seu povo,  com um tipo de animais semelhantes a eles, só que de pele mais branca. Viu que esses animais matavam todo seu povo, destruíram sua aldeia, por causa das pedras amarelas.
     Voltou pra aldeia preocupado sabendo que era inevitável a chegada desses animais, atrás das pedras amarelas.
      Juntou todo seu povo e fez  a magia, transformando  todos em corujas, que com seus grandes olhos passaram a vigiar a floresta.
    Só depois de muitos anos passados é que o homem branco, conseguiu penetra naquelas terras.
      
          
        
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 20/10/2017
Alterado em 27/10/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras