FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

O CÉU DE CADA UM.
  Eram duas irmãs, gêmeas, nasceram e cresceram sob o mesmo teto, recebendo a mesma educação, sempre rigorosa.
  Receberam os nomes de Maria Antônia e Maria José. Na infância era difícil diferenciar as duas de tão parecidas fisicamente. A mãe tinha que cortar o cabelo de uma e deixar a outra com o cabelo maiorzinho para facilitar.
  A educação foi rigorosa. Maria Antônia de inicio despertou logo a vontade religiosa. Não perdia um domingo sequer de missa, nem o catecismo que vinha logo apos. Já Maria José essa era mais relaxada. Preguiçosa, ia na missa com muito custo. Sempre inventava uma desculpa para mãe. Mas as duas eram estudiosa. Logo evoluíram nos estudos, as mais dedicadas do colégio. Maria Antônia sempre recatada, entrou para o coral da Igreja. Maria José preferiu aprender tocar violão, era moda naquela época as mocinhas se interessarem por esse instrumento. Aos quinze anos já de namorado no portão.
    Maria Antônia, continuava com seu amor incondicional as coisas litúrgicas, cada dia condenava mais o comportamento da irmã.
  __Pai cuidado com essa menina. Pelo jeito sei não...
   E foram crescendo cada vez mais parecidas fisicamente e de comportamento bem discrepantes.
   Adolescência tranquila. No segundo grau, começaram as mudanças.  Maria José desencabiciou. Conheceu um caminhoneiro mais velho. Metido a galã, que levou ela pro mau caminho(ou bom como ela mesmo dizia). Caiu na vida escorregou ladeira abaixo e parou no Cabaré da cidade, para desgosto da família.
    Maria Antônia continuava na Igreja. Padre Guilherme, velho pároco, já  cansado, foi chamado para a Matriz.
    Veio para seu lugar, um novato de ordenação e idade. Todo "modernoso" como falavam as velhas frequentadoras da Igreja. Maria, pouco se importou com a nova presença. Se manteve fiel aos ritos. Até que a vontade do destino fez uma aproximação indevida. Olhares cruzados, corpos carentes, desejos guardado; terminaram na sacristia. E Maria experimentou um céu diferente do que planejava.
   E por várias vezes, vários dias ; meses repetiam a viagem transcendental. Um belo dia o padre sumiu sem deixar rastro ou recado. Abandonou tudo e foi atrás de uma antiga namorada de infância, que havia ficado viúva.
   Mas não foi o fim de Maria, nem caiu na desgraça da depressão que vem  com  o fim   de todo relacionamento.
    Desceu a ladeira e foi morar com a irmã que
surpresa disse:
   ___Nao é possível. Você não está preparada pra essa vida. Vamos voltar pra casa.
   ____De jeito nenhum.Passei muito tempo me preparando pro meu céu. Ele tava bem aqui na terra. No final da ladeira. Se quiser ir pode ir. Do que eu gosto tá aqui.
   E se tornaram a dupla mais famosa da região. Encontraram seu paraíso e tem levado muitos homens e mulheres a visitarem os céus.    
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 22/11/2017
Alterado em 25/11/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras