FÉLIX CHAVES
TUDO VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

CACHORRO E GATOS.
   Dizem que gatos e cachorros nunca foram bons de convivência um com o outro. Essa tradição vem desde o Egito antigo se perpetuando até hoje. Sempre que se encontram pode esperar que não vai sair coisa boa.
   Mas será  verdade isso ou tem também suas exceções? Nos dias atuais a gente pode ver tudo, tudo pode inesperadamente acontecer. Vou contar um fato. É verídico, claro.
   Meu netinho Victor ganhou um cachorro chamado flokinho. Todo peludo, dessas raças modernas de nomes esquisito. Flokinho ficou em minha casa uns tempos. O vizinho do fundo criava uns dois gatos,  desses que aparecem por ai sem eira nem beira ou melhor sem raça específica.
   Coloquei Flokinho para morar lá no fundo do quintal. Pensando:
    ____ acho que agora esses gatos se espantam daqui.
    Todo dia pela manhã colocava a ração para o cachorro. Colocava o suficiente para durar até no dia seguinte. Saia para trabalhar, voltava ao meio dia a ração havia acabado. Comecei desconfiar, não era possível um cachorro desse porte comer tanto.
   Certo dia cheguei bem devagar e para minha surpresa está Flokinho e os dois gatos comendo juntos . Não é possível uma coisa dessas. Dei dois gritos os gatos se arrepiaram correram pularam o muro, Flokinho correu atrás e ficou latindo no pé do muro, olhava para o muro e olhava para mim, como se quisesse dizer: viu botei eles pra correr.
   No outro dia a mesma coisa. Dei os gritos, teve a correria de gato e cachorro. Fingi que sai do quintal, fiquei escondido atrás da parede observando. Os gatos voltaram de mansinho trocaram olhares com o cachorro com o se tivessem falado alguma coisa, desceram e os três foram comer a ração.
  Agora ver que situação: O cachorro quando me via fingia que era valente corria atrás dos gatos, que fingiam que estavam com medo e fugiam pulando o muro. Quando eu saia do quintal a máfia se juntava e iam comer a ração juntos.
   Eu estava sendo enganado por eles.
   Parece história de pescador. Mas é pura verdade.

   PARA MEUS NETOS: VICTOR  E  PEDRO HENRIQUE
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 10/12/2017
Alterado em 10/12/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras